quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Uivos do vento



As crianças não se deixam iludir
pelo canto mórbido das primeiras águas do inverno.

Rasgando o aço de uma cinzenta apatia,
atravessam o frio que cerca as manhãs,
enfiam os pés nas poças da lama,
oferecem o corpo às setas da chuva
e uivam, bem alto, o hálito branco da revolta.



poema escrito em 2010-09-01
Post views: counter

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...