quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Seguindo o escoar do tempo



Rodas dentadas
giram em agonia
aprisionadas a um eixo imaginário,
como ponteiros de relógio
num ruminar lento
à volta do tempo.

Rodas dentadas,
batendo umas nas outras,
incapazes de se libertarem
do próprio movimento gerado,
perpétua dor que arrastam,
num estranho chiar enferrujado
seguindo o escoar do tempo.


poema escrito em 2008-03-08
Post views: counter

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...