quarta-feira, 15 de setembro de 2010

A caminho da Escola


Subitamente, perdi-me numa curva do caminho,
confundido pela sombra cega dos becos
e o empedrado corroído da memória.
Sem saber como, nem porquê,
vejo-me de novo de bata branca lavada
e mochila apinhada de livros, às costas,
nos caminhos primários que me levam à escola.

Um remoinho de ventania e poeira
atira-me para próximo da casa de partida,
como um peão castigado pelos dados
numa estranha reprise do jogo da glória,
devolvendo-me tudo o que estava adormecido,
excepto, a luz das manhãs que já não existem
e o sorriso inocente do meu rosto de criança.


poema escrito em 2010-08-28
Post views: counter

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...