sábado, 25 de setembro de 2010

No gelo da vidraça



Algemada aos caixilhos da janela cerrada,
Estendes o azul crucificado do teu olhar
Na direcção da chuva que cai estrangulada,
Afogando a luz lamacenta de um sórdido luar.

Como um barco ancorado num cais sombrio,
Vês a vida esvoaçar nos varais da maré, lá fora;
Miragem que naufraga nas águas de um vazio
E no errante exílio desse sonho que demora.

Um triste abismo cerca as falésias desse miradouro
Onde invocas a dor de uma ausência que te cega
E, o alento, em apagadas cinzas se desagrega.

Derramando o dolente veludo do teu choro,
Embalas o grito da saudade que te abraça,
Desenhando corações partidos no gelo da vidraça.



poema escrito em 2010-05-04
Post views: counter

1 comentário:

BEIJAFLOR disse...

Olá Rui, vim deixar um abraço, nem sequer falo da poesia, porque essa transpira em nós como fontes borbotantes.
Apenas deixo a minha marca em sinal da amizade e da admiração.

AS NOITES EM MIM

Assombram-me os véus rendados
Duvidas duma crónica existência,
Tormentos libertinos espalhados
Sonhos penosos, ancorados
Em marés de penitência.

A face negra da noite se destapa
Em vielas soluçantes de croché,
E a sede romancista que me mata
Levemente da garganta se desata
Em venenos de tabaco e de café.

Irrompe num esgar quase sem dor
Imbuído na paisagem irrequieta
Na mente, troa um rufo inspirador
Sopro confuso, talvez amor
Tocando o coração deste poeta.

Regensburg
16-04-10
Beija-flor

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...