quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Cegueira



Numa inércia de condenados, mergulhei
nas águas profundas de um lamento, à espera
que a humidade da noite lavasse o pus das feridas
e o rasto vagaroso dos dias
apagasse a serapilheira da tua sombra renitente,
que insistia em assobiar nas janelas,
como um murmúrio de pássaros negros.

Bebi a dor nas águas inquinadas do fundo do poço,
onde não chega o cântico das manhãs
e as folhas arrancadas pela fúria do outono
ensopam a luz dos sonhos derramados.

Com o suor azedo dos meus versos
cimentei as fendas rasgadas no peito,
por onde me invadiam as heras da solidão,
nas noites em que recordo teu perfume distante.
Lentamente, resgatei o corpo e a alma
à viuvez selada do meu coração.
Mas continuo cego. Sem nada ver.

Feitiço algum me devolve a luz do olhar,
após ter sido contaminado pelo clarão do teu rosto.



poema escrito em 2010-09-02
Post views: counter

1 comentário:

Daniele Dallavecchia disse...

Olá poeta Runa! Teu poema é forte, intenso e de partir o coração! É como se tudo o mais perdesse a importância após a chegada do amor e, principalmente, após sua partida. Lindíssimo! Parabéns!!!

beijos

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...