segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Lunáticos



nos jardins de chuva branca
poças de água estagnada
dão as mãos e digerem o vazio
com as asas a arrastar pelo chão

estilhaços dispersos de lucidez

lufada de bronze cuspida na cara

alucinante delírio de embarcações
encalhadas nas margens do rio


e três metros de solidão
num varal de cinzas, estendidos ao vento






poema escrito em 2010-07-30
Post views: counter

3 comentários:

Eduarda disse...

Runa,

nos estendal da lucidez, a loucura que nos estagnam.

bj
Eduarda

neusa disse...

Adorei os dois últimos versos, assim como o poema todo.
O que devo dizer? parabéns?
É pouco.
Nem sei o que dizer.
Beijos poeta
Neusa

Reinadi Sampaio disse...

Que dizer diante da tua poesia?
Que dizer diante da forma como dizes!?
Palavras faltam-me, sempre, pois tua poesia é algo que para mim, mesmo sendo poeta, deixa-me perplexa diante de como as palavras jorram da tua alma e, nos deixam mudos... é simplesmente maravilhosa, tua forma de expor os sentimentos.
Mais uma vez, um brinde à eternidade dos teus versos, meu amigo!
Um grande abraço fraterno.
Reinadi.

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...