terça-feira, 19 de outubro de 2010

Invisível




Lentamente fui perdendo o pé
num éter de estranhas sensações.
Perdi o brilho e a cor,
dispersei-me nas asas do vento.
Afogado no gelo do vazio,
para lá da linha do horizonte,
entreguei meu corpo retalhado
às aves famintas do pântano,
segui o eco da tua ausência
e, finalmente, tornei-me invisível.





poema escrito em 2009-03-08
Post views: counter

2 comentários:

Eduarda disse...

Runa,

um abandono de nós e em nós.

belo como sempre.

bj

Alberto Moreira Ferreira disse...

invisível mas não na poesia, como se constata neste poema

abraço
alberto

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...