terça-feira, 5 de outubro de 2010

Álbum de família



Sobre o mogno escuro dos meus olhos
estendo o velho álbum de fotos de família
e deixo os mortos respirarem, por instantes,
a luz estagnada deste entardecer.

A preto e branco, os fantasmas da memória
regressam com seus fatos domingueiros,
sacudindo a poeira de uma resignada ausência.
As mulheres trazem sorrisos manchados de tristeza
evocando o fascínio das eras de outrora
sepultadas nas ruínas de uma névoa distante
e, os homens, cofiando longos bigodes,
conservam ainda o mesmo ar taciturno e pose viril.

Míticos rostos que perderam o dom da fala,
mas que as esponjas da morte não apagaram totalmente
lá nas tumbas frias e perdidas onde pernoitam.
Imagens que se acendem nas lareiras da saudade,
ao som melancólico de uma extinta banda de coreto,
rasgando véus e teias de um esconso abismo.

Durante algum tempo, suspendo a fúria dos relógios,
e deixo que os mortos, num pestanejar de cinzas,
cruzem as paisagens arruinadas da manhã,
recordando sua breve passagem pelo mundo;
antes de recolherem de novo ao vazio enclausurado
do abandono sombrio onde agora pertencem,
esgotando o brilho efémero que subitamente se dilui
no baque crepuscular da contracapa.


video


poema escrito em 2010-07-28
Post views: counter

3 comentários:

Elis disse...

Runa

Posso "sequestrar" este poema para o meu blog? Espero que sim...
Quero acreditar que os mortos dos meus álbuns de família sintam a minha falta tanto quanto a que eu sinto deles. Como na letra da música do Biquíni Cavadão, é difícil viver carregando um cemitério na cabeça...
Abraços.

Runa disse...

Olá, Elis

Obrigado pela visita. Sequestra os mortos que quiseres...

Abraços

Richard Mathenhauer disse...

Da minha família sou como o guardião de memórias, guardo cartas, fotografias... deixo, aproveitando seus versos, os mortos respirarem...

Abraços,

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...