terça-feira, 26 de outubro de 2010

Solstício de inverno



Ao fim do dia, a mente exausta
já só encontra palavras gastas
para seguir o declínio aparente
da derradeira luz que se extingue
num equinócio de primaveras corrompidas.

As pálpebras rangem
seguindo a cadência dos relógios
pendurados na monotonia das paredes,
num arrastado bocejo
à volta dos 12 signos do dia.

No hemisfério gélido das marés
a cinza derretida do luar
tinge veias rasgadas
de um caudal de anjos decapitados,
afundados
no estuário sombrio do meu voo.

O que resta de mim
é aquilo que a insónia do vento
deixou nos rebordos da pedra,
as longas noites de sombra
cobrindo a face do horizonte,
um ocaso de ruínas
engolindo meu corpo fatigado,
e interrompidas quimeras
de um solstício de moinhos petrificados.


poema escrito em 2010-10-17
Post views: counter

3 comentários:

Eduarda disse...

Runa.

Esta viagem pelo interior, das horas rangentes que em tanto nos petrificam, é para quem lê o tudo numa parte.

bj

Maria João disse...

Runa

No hemisfério gélido de cada maré, existe sempre um novo solstício que contém , por mais ínfima que seja, uma quimera que apenas foi interrompida.
Profundamente dorido este poema, numa linha que gosto muito!

Um beijinho

Daniele Dallavecchia disse...

Olá, poeta! A vida como ela não deveria ser...Por vezes, nos encontramos desgastados em nosso próprio caminho, onde um destino cego e desumano nos deixa à margem daquilo que nos contenta...Gosto de ler teus textos. Parabéns!

beijos

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...