terça-feira, 19 de outubro de 2010

Extrema-unção




Suspenso sobre o pórtico exausto do abismo
cerca-te a vertigem derradeira do poente.
Dois braços estendidos em sinal de cruz
abrem caminho na cartilagem escura da noite,
onde amanhece um rumor de carpideiras,
entre o equilíbrio fugaz do último verso
e o silêncio súbito nas pálpebras do vento.



poema escrito em 2010-08-31
Post views: counter

2 comentários:

Venho do Mar... disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Venho do Mar... disse...

Runa, parabéns pelo blog e obrigada por ser um dos meus seguidores e cá estou eu ...Beijinhos poéticos para ti e apareça...:)) Maribel

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...