sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Cada vez que respiramos



Cada vez que respiramos,
um incêndio de sol
rasga, num sonâmbulo equilíbrio,
a bruma cega do mármore,
abrindo uma nova janela
no litoral negro do abismo.

A pulso,
um pássaro de oxigénio
escala a engrenagem metálica
de um sinuoso horizonte,
irradiando,
num silêncio de narinas,
o cristal sereno das marés,
pousadas numa ilusão de eternidade.


A mortalha breve do tempo,
aspirando o pólen matinal,
suspende o abraço de gelo
que cerca a métrica azul
de uma metamorfose de estrelas,
adiando uma vez mais
o bordado húmido da terra
e resgatando, ao pranto dos labirintos,
o voo suspenso da quimera,

cada vez que respiramos,
iludindo
o murmúrio transparente da morte.



poema escrito em 2010/11/17
Post views: counter

2 comentários:

Eduarda disse...

Runa,

Além do prazer que tenho sempre de te ler, este poema leva-me para uma feira de mortes e de contrastes.
Deste lado leio fogos e balas, e palavras sem nexo8 nos outros).

bj

Alberto Moreira Ferreira disse...

Rui,

no ar o espectro da vida e da morte, e é como diz a Eduarda, um prazer ler a tua poesia

abraço

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...