domingo, 2 de junho de 2013

Peregrinação


Nenhuma distância os impede de chegar.
Vêm com o vento e com as chuvas breves
que amansam a aridez dos caminhos
à espera de encontrar um outro norte
uma fenda no coração negro da rocha
ou um caminho de retorno a casa.
Vêm do fundo nebuloso das quimeras
e dos lugares eternos do medo
com as mãos cruzadas sobre o peito
e um assobio de fogo à cintura
para iluminar por dentro a escuridão.
Trazem nos cabelos um perfume antigo
como um pacto firmado ao redor das fogueiras
e rubros lanhos na exaustão dos pés
para esconjurar a febre da lonjura
e se resguardarem da memória do choro.
Trazem um desejo de aves migratórias
a abraçar as manhãs que nunca viram
num voo solitário sobre as dunas
ensaiando a redenção de esconsas feridas.

Quando chegam, com o rosto estragado pelo frio
e o coração a fervilhar de sobressaltos
lentamente entregam o corpo à sede das areias
e à sombra das pedras que se erguem para o alto
respondendo a um apelo que vem de cima.

________________________________________
Post views: counter

4 comentários:

Rô... disse...

oi Runa,

quando temos determinação,
nenhuma distância nos impede de chegar a lugar algum,
e juntos somos sempre mais fortes...

beijinhos

Flor de Jasmim disse...

A força de encontrarem um caminho de retorno a casa, não há distância que impeça a realização de juntos abraçarem as manhãs.
Boa semana meu amigo

beijinhoe uma flor

Passarinho de primavera disse...

Norte – é te peregrinar!

Maria Emilia Moreira disse...

Olá!
Diz-se que a fé move montanhas e assim sendo quem acredita sujeita-se a todos os sacrifícios...ainda que sejam...mortais por vezes.
Belo poema, sem dúvida.

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Se puderes, deixa uma mensagem.

Abraço. Volta sempre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...